Um talento canadense-americano

Por Michelle Lago

O post de hoje é dedicado a uma grande amiga minha, Carol.

Falarei de uma das maiores cantoras influentes de todos os tempos: Alanis Morrisette.

Todo seu talento começou desde muito cedo, com apenas seis aninhos a cantora, compositora e também atriz, começou a expressar seus sentimentos através da música, tocando piano e praticando o ballet. A vontade de tornar-se cantora era tão intensa que, aos 10 anos de idade, ela escreveu sua primeira música “Fate stay with me” em português “Destino fique comigo” para uma amiga que a considerava colega de trabalho.

Depois disso, Alanis começou a fazer parte de diversos projetos que, cada um a sua maneira, acumularam experiência para a estrela, tornando-a um grande símbolo do mundo da música. Aos 12 anos participou e um programa no canal Nickelodeon, You can`t do that on television e, um ano depois, começou a fazer aberturas de campeonatos esportivos cantando o hino do Canadá. Com todo seu esforço e sua dedicação, ela arrecadou seu próprio dinheiro tornando possível seu sonho de gravar sua primeira musica, aquela que ela havia escrito com 10 anos.

Alanis no programa "You can`t do that on television"

Em 1988, já com 14 anos, Alanis assinou sem primeiro contrato coma MCA Records, no Canadá. Através dele, a cantora lançou dois discos, em 1991, Alanis e em 1992 “Now Is The Time”. Após a gravação de seus discos e com o término do contrato, podemos dizer que a carreira da estrela engrenou de vez. Alanis foi para Los Angeles e conheceu vários produtores musicais e entre eles estava Glen Ballard, o produtor de seu primeiro disco internacional, “Jagged Little Pill”.

Alanis continuou em Los Angeles e é a cidade onde vive hoje. Como ela nasceu no Canadá, naturalizou-se “canadense-americana”

Esse foi um breve histórico que dei sobre a vida da cantora, claro que sua carreira vai muito além. Para se ter uma idéia, abaixo segue a discografia dela entre 1991 e 2008.

1991 – Alanis

1992 – Now is The Time

1995 – Jagged Pill

1998 – Supposed Former

1998 – Space Cakes

2002 – Under Rug Swept

2003 – Feast on Scraps

2004 – So called Chaos

2005 – Jagged Pill Acoustic

2008 – Flavors of Entanglement

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

Anúncios

Quando os Deuses dizem adeus

Por Léo Cardoso

É difícil escrever algo que soe bonito sobre a morte de alguém, e minha intenção não é essa. Gostaria só de demonstrar um pouco da minha tristeza de fã. Na manhã do último domingo (16) a música perdeu mais uma de suas lendas, um Deus para o Heavy Metal, Ronnie James Dio, 67, que vinha há meses lutando contra um câncer no estomago.

Deuses não morrem, eles apenas se afastam para poder descansar, e Dio vai continuar vivendo através de sua música, seja no Black Sabbath, Rainbow ou por meio de sua carreira solo. O baixinho, dono da voz mais marcante do Metal, vai continuar, de longe, a influenciar todos os seus adimiradores.

O mais difícil nessa hora é ver como algumas pessoas conseguem desrespeitar a dor dos fãs que ainda estão digerindo a notícia de forma lenta e dolorosa. Me refiro aqui ao jornalista André Forastieri, que um dia depois da morte de Dio publicou em seu Blog no portal de notícias R7 um texto falando sobre o ocorrido.

http://noticias.r7.com/blogs/andre-forastieri/2010/05/17/ronnie-james-dio-o-deus-ridiculo-do-rock/

Eu não sou ninguém para criticar sua atitude muito menos o seu texto, afinal, cada um tem uma opinião, bem como eu tenho a minha.

Para mim quem tem coragem para fazer faz, e quem não tem critica, sua falta de respeito ao trabalho de um artista que dedicou boa parte da sua vida ao Heavy Metal me soa como insulto. Em seu texto ele diz: “Agora, tem sentido um roqueiro de 67 anos que canta sobre o eterno combate entre o bem e o mal, em canções repletas de dragões assustadores, cavernas assombradas, magos impolutos etc.? Hm, bem, não.” Pois eu digo que sim, e talvez essa fosse a grande magia de Dio, e por mais que ele tivesse “envelhecido mal”,  “ficado careca” e “encarquilhado” tenho certeza que ele o fez da melhor maneira possível, sempre levando seu trabalho e seu amor à música adiante, afinal Forastieri, esse é um processo natural da vida que inevitavelmente todo nós vamos passar.

Um dia, em alguma aula da faculdade que eu não me recordo qual era, um professor me disse para sempre ter cuidado com as palavras que nós jornalistas escrevemos sobre alguém, como “formadores de opinião” podemos cometer erros e injustiças terríveis, e fico triste por ver que alguns chegam a sentir prazer nisso, espero não cometer erros assim no futuro, pois o seu texto nada mais é do que um ataque gratuito ao trabalho, aos fãs e à memória de RONNIE JAMES DIO, excepcional vocalista da lendária banda Black Sabbath e talvez um dos melhores do mundo.

 

Obrigado por tudo Dio.

No sign of the morning coming

You’ve been left on your own

Like a rainbow in the dark

A rainbow in the dark…

Saiba mais em:

http://entretenimento.r7.com/musica/noticias/morre-ronnie-james-dio-um-estilista-do-heavy-metal-20100516.html

http://champ-vinyl.blogspot.com/2010/05/carta-aberta-ao-sr-andre-forastieri.html

http://kissfm.com.br/noticias/mundo-do-rock-lamenta-morte-de-dio/

http://colunasleeversbatalha.blogspot.com/2009/06/conexao-com-deus-ronnie-james-dio.html

http://whiplash.net/materias/opinioes/107993-dio.html

Videos:

Katy Perry, personalidade descolada e insolente

Por Michelle Lago

Nasce em Outubro de 1984, Katheryn Elizabeth Hudson, mais conhecida por Katy Perry, uma cantora e compositora “de personalidade descolada e insolente” como hoje ela mesma diz.

Filha de pastores evangélicos, desde pequena Katy foi fortemente influenciada por sua religião e frequentemente cantava em igrejas, chegando até a lançar, aos 17 anos, pela Red Hill Records, seu primeiro album Gospel intitulado com seu nome de nascimento Katy Husdon. Mesmo sendo terminantemente proibida por seus pais de ouvir quaisquer outros tipos de músicas à não ser a Gospel, Katy se afastou da igreja e de sua religião para fixar-se em outros estilos musicais, o pop e o rock, que a cantora vem trabalhando desde 2004.

Não foi nada fácil para ela se desviar de sua religiosidade. Em 2006, chegou ate a participar da música gospel “Goodbye for now” do grupo P.O.D., mas não prosseguiu com o gênero musical. Logo após, lançou o álbum One of the Boys contendo a canção lésbica “I kissed a girl”. A partir daí, uma série de polêmicas se desencadearam atingindo não somente a cantora, mas seus pais também, dizendo que eles não tiveram autoridade sobre ela na infância em relação à religiosidade. Apesar de tudo, Katy afirma que sua fé nunca mudou por causa disso e como prova tem o nome Jesus tatuado no pulso esquerdo e uma cruz desenhada em seu violão.

A cantora estourou em 2007, com canções como “I kissed a girl”, mencionada anteriormente, e “Hot N Cold”, que tornaram-se topo das paradas musicais. Atualmente está gravando seu segundo álbum, que será lançado em 2010. No início da fama, Katy foi comparada à rival Lily Allen e Avril Lavigne quanto à personalidade, mas com o tempo seus fâs viram que ela é uma mulher com contrastes extrovertidos e sarcásticos e com muito mais senso de humor.

Katy reflete em seu próprio visual o seu senso de humor, pois ele é composto por roupas coloridas e estampadas, com tendencia dos anos 40, 50 e 80, em algumas ocasiões, vestindo leggings, sneakers, sapatilhas, vestidos acetinados e com babados.

 Atualmente a estrela namora o comediante inglês, Russel Brand. Mesmo conhecido por ser mulherengo, ela afirma que ele a conquistou. Nem mesmo a fama do comediante impediu que ele se interessasse em casar com Katy, fato confirmado em uma entrevista no Daily Mail. Os pais da cantora, mesmo já se acostumando e confiando no namoro, acreditam que Russel só será uma pessoa melhor se seguir Deus.

Embora Katy tenha contrariado seus pais em muitas decisões que tomou em sua vida, é muito difícil que eles não tenham orgulho da estrela, afinal ela é uma mulher de atitude e seu talento é reverente.

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

As Meninas do METAL!

Por Léo Cardoso

Ogros suados, berrando como animais, se batendo como dementes nas famosas rodas punk, cabeludos insensíveis, fedendo a suor e sangue. É, para muita gente, essa a visão do Heavy Metal. Mas saiba que, de uns anos para cá, o estilo vem se tornando mais popular atraindo o público feminino.

Realmente a atmosfera que cerca o estilo privilegia os homens, afinal o som é pesado e as letras giram em torno de temas que fogem a monotonia de um amor tranqüilo e uma casa no campo, mas agora as meninas começam a invadir a cena e deixar muito marmanjo por aí de queixo caído não só com sua beleza, mas também por seu talento.

Exemplo claro e incontestável disso é Simone Simons vocalista da banda Epica. Linda, ruiva, charmosa e dona de uma das mais belas vozes do Metal Melódico, Simone poderia ser considerada a musa do estilo se a italiana Cristina Scabbia, vocalista do Lacuna Coil, não tivesse descoberto a música. Talvez por ser mais “leve” e aberto a letras mais suaves, o Metal Melódico e o Gotic Metal tenham uma maioria esmagadora de meninas compondo bandas da melhor qualidade.

Cristina Scabbia Vocalista do Lacuna Coil

Simone Simons Vocalista do Epica

Angela Vocal do Arch Enemy

Mas não só de flores e vocais líricos se faz o Metal, você já ouviu falar do Arch Enemy?

Se você parar para ouvir essa banda sem ter a menor idéia da sua formação, você nunca vai afirmar que no vocal está Angela Gossow, uma loira, de olhos verdes e rosto angelical, que contém uma das vozes mais potentes do Death Metal Melódico. Pare para conferir um pouco da banda e tire a prova!

Vídeos:

Confira mais sobre as Meninas do Metal em:

http://www.ailhadometal.com/2010/03/listas-as-mais-gatas-do-metal.html

http://www.angelagossow.com/angela-gossow/biography/

http://www.lacunacoil.it/

http://www.simonesimons.nl/


Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

Simplesmente SLASH!

Por Felipe Bolzoni

O lendário guitarrista Slash, ex – Gun’s and Roses e praticamente o coração da banda até hoje, mesmo não fazendo parte mais dela, lançou sua turnê na última terça-feira (27) em Sydney, Austrália e aproveitou para divulgar seu mais novo trabalho, o cd Slash. Em sua página no Myspace, o guitarrista comentou sobre as gravações das músicas: “Nós despachamos quatro faixas matadoras com vocais fantásticos e estamos despachando mais uma na terça (14 de abril). As coisas estão caminhando muito bem. Todos que contribuíram com vocais até agora foram impecáveis e a parte rítmica, com Josh e Chris está perfeita. Eric Valentine é um produtor genial, sem dizer que sua equipe é ótima. Tudo nessas últimas semanas tem sido divertido e nós estamos só começando. Esse disco definitivamente chutará bundas, digo isso por mim.”

A esposa de Slash, Perla Hudson, disse em um vídeo no Rockerrazzi.com que Ozzy Osbourne e Fergie, do Black Eyed Peas, participarão do disco.

Slash deixou o Guns n’ Roses nos anos 1990 e formou o Slash’s Snakepit antes de montar o Velvet Revolver com alguns ex-membros do Guns e com Scott Weiland, do Stone Temple Pilots. Weiland foi demitido em abril de 2008 e a banda está em busca de outro vocalista.

Discografia

Cd Solo : Slash – EMI (2010).

Gun’s and Roses:

Appetite for Destruction – Geffen (1987);

G N’ R Lies – Geffen (1988);

Use Your Illusion I – Geffen (1991);

Use Your Illusion II – Geffen (1991);

The Spaghetti Incident? – Geffen (1993).

Slash’s Snakepit

It’s Five O’Clock Somewhere – Geffen (1993);

Ain’t Life Grand – Koch Intl (2000).

Velvet Revolver

Contraband – RCA (2004);

Libertad – RCA (2007).

Confira agora alguns vídeos do mestre Slash!!

Capa do cd "Slash".

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com 

Weird Al Yankovic: música e humor

Por Felipe Castilho

A vertente das paródias muitas vezes não é levada a sério por parte do público e também da crítica musical. Mas as poucas bandas que se sobressaem costumam conseguir um certo sucesso na mídia. Caso de Weird Al Yankovic, cantor e humorista americano.Weird Al Yankovic

Em 1979, então com 17 anos, Al Yankovic enviou uma fita com gravações de paródias feitas por ele a um programa humorístico do rádio, iniciando assim sua carreira musical. Três anos depois, a banda The Knack fez um show em sua faculdade, e o “parodista” entrou em ação, gravando uma versão cômica do sucesso “My Sharona”, o qual ele chamou de “My Bologna”. Os integrantes do Knack ouviram e gostaram, dando uma oportunidade para Weird Al em sua gravadora, a Capitol Records.

No início dos anos 80, o cantor passou a trabalhar numa emissora de rádio, e produziu a paródia que decolou sua carreira: “Another One Rides The Bus”, versão de uma famosa música do Queen. Foi com essa música que ele conseguiu sua primeira aparição na televisão, no programa “The Tomorrow Show”.

Al Yankovic satiriza Michael Jackson

Ainda nesta década, Al Yankovic saiu em turnê pelos EUA e conseguiu um empresário, que adicionou uma banda para acompanhá-lo em suas apresentações.

Durante as últimas três décadas, Weird Al Yankovic conquistou alguns importantes prêmios, como três discos de ouro e cinco de platina. Seu sucesso se deve a sua música irreverente, ao seu estilo um tanto quanto alternativo, e à inteligência de suas sátiras das músicas rock e pop.

Vídeo de sua primeira oportunidade na TV:

Al Yankovic canta “Fat” (versão de “Bad” de Michael Jackson)

Confira o blog não oficial do cantor: http://yankovic.org/blog/

Seu MySpace: http://www.myspace.com/weirdal

Paródias de vídeos: http://documentotupiniquim.com/?p=523

 

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

Um ídolo… Fábio Jr.

"O mito"

Capa de dvd lançado em 2007

Por Felipe Bolzoni

Como o próprio blog descreve, o objetivo do Tropeço Musical é eliminar o preconceito dos estilos musicais. Música sem barreiras, pois toda música é arte de se expressar, cada uma de sua maneira, seja em um lindo solo do guitarrista Slash, até a busca da batida perfeita, de Marcelo D2.

Por isso tenho orgulho de escrever essa matéria de estréia no blog falando de um dos meus ídolos na música popular brasileira: Fábio Jr.

Com seu estilo romântico e conquistador, Fábio Jr., que lançou recentemente o CD “Romântico”, iniciou sua turnê 2010 na casa de show Vivo Rio, no Rio de Janeiro, em duas apresentações inéditas, dias 29 e 30 de janeiro. A turnê, que continua com o mesmo nome, “Fábio Jr.”, e com mesmo cenário, de Zé Carratu, ganha músicas do novo CD, que traz duas músicas inéditas: as versões “Amar É Perdoar (Don’t Know Why)” – que faz parte da trilha sonora da novela “Cama de Gato” da TV Globo – e “Quando Um Homem Se Apaixona (When A Man Loves).

Além dessas duas canções inéditas, o novo CD é composto por grandes clássicos da música sertaneja que ganharam uma levada pop e romântica na voz de Fábio Jr.. O cantor se mostrou empolgado no lançamento oficial de sua turnê 2010. “A nova turnê está bem bacana. Estou ansioso”, conta.

Já os grandes sucessos da carreira do cantor, como “Caça e Caçador”,
“Alma Gêmea”, “Felicidade”, “Quando Gira o Mundo”, “Pai”, entre outras,
que ganharam nova roupagem na turnê 2009, continuam no repertório,
garantindo todo o romantismo do show.

Com direção do próprio Fábio Jr. e produção da MC3, o show conta com a direção musical e arranjos de Amador Longhini. A banda que acompanha o cantor é formada por Aldo Gouveia, Márcio Silva, Moises Tristão e Wilber Sales nos vocais, Álvaro Gonçalves na guitarra e violão, Jotinha no baixo, Gustavo Barros na guitarra, o maestro Amador Longhini nos teclados, Pepa D’Elia na bateria e Clodoaldo Canizza na percussão. Nos metais estão Paulo Baptista, trompete e Ubaldo Versolato, sax e flauta.

Consagrado por sua musicalidade esplêndida que lhe rendeu ao longo de sua carreira grandes sucessos, além do dom de interpretar, consegue entreter muito bem seus espectadores (de maior parte do público feminino). O versátil cantor Fábio Jr. se apresentará por todo o Brasil. A turnê 2010 passará por São Paulo nos dias 18 e 19 de junho no Credicard Hall. A expectativa é de casa cheia, pois em apenas duas semanas de venda, os ingressos de alguns setores já estavam esgotados.
O show conta com uma novidade inesperada: o cantor receberá no palco seu filho, Fiuk, fenômeno das “menininhas”. Pai e filho já cantaram juntos no show na cidade do Rio de Janeiro e pareceram se divertir muito.

Todo mundo deve estar achando que sou brega, né? Mas não sou. As músicas do Fábio Jr. são boas, ele canta muito bem e sabe como “pegar” qualquer mulher desse mundo! É ou não é para ser um ídolo? Se eu fosse você, corria e comprava o ingresso para o show. Esse é o cara!

Veja um grade sucesso do ídolo:

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

  • Agenda

    • setembro 2017
      D S T Q Q S S
      « jun    
       12
      3456789
      10111213141516
      17181920212223
      24252627282930
  • Pesquisar