Contra-baixo é a essência do Rock N’ Roll

Por Felipe Castilho

Quando se pensa em Rock logo vêm à mente imagens de vocalistas e guitarristas virtuosos, ou até bateristas. Mas poucos pensam nos baixistas. Essa classe, ligeiramente injustiçada, já que quase todos (n)os deixam de lado, é a verdadeira base de todos os gêneros musicais, principalmente o já citado. Foram vários os que fizeram história e marcaram para sempre seus nomes no hall da fama, seja por suas performances ou por suas inovações. Abaixo listarei os meus favoritos, não necessariamente na ordem expressa.

  • Jaco Pastorius

Um dos baixistas mais influentes de todos os tempos. Iniciou sua carreira musical como baterista, mas após uma fratura na mão teve que abandonar as baquetas, migrando para o instrumento que o consagraria: o baixo. Extremamente inovador, Jaco retirou os trastes de seu contra-baixo elétrico e passou a tocar quase que como um violoncelo, mudando a cara do jazz fusion. Poucos tiveram a destreza e habilidade de criação que Jaco Pastorius mostrou.

  • Paul McCartney

Paul dispensa comentários. Sem dúvida é o mais famoso de todos os baixistas do mundo. O escolhi por ter uma técnica apurada, grande criatividade e o principal: canta e toca baixo como poucos. Os que tocam sabem como é complicado conciliar a voz e o contra-baixo, mas Paul faz isso como se fosse a coisa mais fácil. Além disso, quase todos os músicos se espelham em algum membro dos Beatles.

  • Flea

Dono de uma presença de palco genial e de uma velocidade inigualável, Flea é a alma de sua banda, os Red Hot Chili Peppers. O estilo funk (não confundir com o funk brasileiro pelo amor de Deus) possui um swing diferente no baixo, com slaps e linhas mais elaboradas. Flea faz tudo isso e muito mais. Talvez seja o meu preferido.

  • Dee Dee Ramone

Mais conhecido por gritar: “One-Two-Three-Four”, Dee Dee Ramone não era muito técnico e não tocava nada de mais. E ainda assim é um dos baixistas que eu mais gosto. Ele era muito carismático e possuía uma presença de palco e uma força impressionantes. Dee Dee e os Ramones disseminaram a ideia do faça você mesmo, mesmo se não souber fazer! E eles sabiam o mínimo para fazer música, mas tinham uma criatividade e um espírito inovador raro. Por isso são uma das maiores bandas de todos os tempos, e Dee Dee um dos maiores baixistas.

  • Duff McKagan

Como meu estilo musical favorito é o Hard Rock, não poderia deixar de lado o melhor baixista de Hard Rock: Duff McKagan, ex-Guns N’ Roses e atual Velvet Revolver. Ele tem fortes influências do Punk, o que é perceptível em seu modo de tocar: instrumento abaixo da cintura e sempre usando palheta. E usa sua palheta como poucos, pois explora tudo que ele proporciona, além de tocar com um timbre muito gostoso de se ouvir. Fugindo da proposta do Hard Rock, onde o baixo é um pouco mais secundário, Duff é sempre um dos principais elementos das bandas em que toca, se destacando pela criatividade.

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente:tropecomusical@hotmail.com

Em homenagem ao nome…

Por Michelle Lago

Posso imaginar que muitas pessoas que visitam este blog se perguntam: “Por que será que se chama Tropeço Musical?” ou “O que o nome tem a ver com o conteúdo?!”

Até nós mesmos, os criadores do blog, sabemos que não há ligação entre o nome do blog com o que ele possui, a não ser pelo Musical. Francamente…por que Tropeço?!

O nome surgiu a partir de uma pérola soltada por mim (que não convém eu contar aqui) em um dia rotineiro na faculdade. Por muita coincidência, o dia desta brilhante gafe foi exatamente o mesmo dia da criação do blog e de seu respectivo nome. Aí meu querido amigo Felipe Bolzoni sugere: “O nome do blog vai ser Tropeço Musical, em homenagem à pérola da Mi”. Claro que eu não concordei com isso, mas minha autonomia foi por água abaixo quando o restante do grupo aprovou a idéia. Quem manda não pensar antes de falar as coisas, né?!

Bom, parando por aqui por que sei que estou deixando muita gente confusa, hoje posso garantir aos leitores que postarei algo que tem TUDO a ver com o blog. Isso mesmo! Os melhores Tropeços Musicais! Divirtam-se!

Madonna

Bruce de Iron Maiden

Beyoncé

Lady Gaga

Robbie Williams

Bono Vox do U2

Justin Timberlake

Ivete Sangalo

Caetano Veloso

Dinho Ouro Preto do Capital Inicial

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

Son of fish little fish is…

Por Felipe Castilho

Versão internacional do post “Filho de peixe…”.

Confira:

Kelly Osbourne (filha de Ozzy Osbourne)

Nascida em Londres em 1984, Kelly só ficou famosa após a série televisiva “The Osbournes”, exibida pela MTV entre 2002 e 2005. Foi justamente em 2002 que ela se tornou cantora e lançou seu primeiro disco, chamado “Shut up!”. Sofreu muitas críticas, tanto da mídia quanto do público, e foi demitida da gravadora um ano depois. Desde então, lançou outros dois CD’s e atualmente grava seu mais novo trabalho, ainda sem nome.Está na cara que a cantora só entrou nesse meio graças ao seu ilustre pai.

Lisa Presley (filha de Elvis Presley)

Ela é filha do rei do rock n’ roll. Já foi casada com o rei do pop, Michael Jackson. Mas como cantora… bem… digamos não ter chegado nem perto do sucesso deles. Não que ela cante mal, mas a comparação com Elvis e Michael é inevitável, e evidentemente ela não tem e nunca vai ter o mesmo sucesso. Lançou seu primeiro disco em 2003: “To Whom it May Concern”, que vendeu 140 mil cópias logo na primeira semana. Ganhou disco de ouro nos EUA. Mas sua carreira desandou a partir daí. Nunca mais conseguiu vender bem.

Enrique Iglesias (filho de Julio Iglesias)

Em 1995, abandonou seus estudos de Economia para seguir carreira artística. Embora seu pai fosse cantor, ele tomou sozinho a decisão, sem nenhuma ajuda. O cantor espanhol se tornou um dos mais conhecidos da América latina e no mercado latino, por ter um estilo nunca visto no mercado musical, vendendo cerca de 43 milhões de CDs o que o tornou o artista que mais vende álbuns de sua época.

Zak Starkey (filho de Ringo Starr)
Zak Starkey seguiu os passos de seu pai desde a infância. Com dez anos passou a aprender a tocar bateria sozinho. Depois teve um ilustre professor: Keith Moon, baterista do The Who. Ringo não queria que seu filho fosse músico. “Imaginei ele como médico ou advogado”, afirma o pai. Mas Zak se tornou mesmo baterista. Já tocou com o The Who e com o Oasis.

Nancy Sinatra (filha de Frank Sinatra)

Filha do cantor mais famoso do século XX, Nancy é símbolo do estilo dos anos 60. Teve grande sucesso nessa década, emplacando 13 hits nesta década. Claro que seu pai teve grande influência para que sua carreira musical fosse bem sucedida, mas Nancy tinha (e tem, apesar de estar longe dos holofotes) uma veia artística bem forte. Dona da música “These Boots Are Made for Walking”, ela virou um ícone em sua época.

 

 

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

Top 10 Guitarras Bizarras!

Por Léo Cardoso

Bom, desta vez trago até vocês, meus amigos, o TOP 10 GUITARRAS BIZARRAS:

10. Guitarra do Green

Muito usada por músicos como Bob Marley, Peter Tosh e derivados.

9. Guitarra AK47

Eu usaria uma dessa fácil!

8. Guitarra XYZ


Tá, e como toca essa merda?

7. Guitarra The Wangcaster


Você toca, as mulheres adoram!

6. Guitarra de 12 braços O.O!


Simplesmente pra que?

5. Guitarra ???


O pior é saber que o Prince tocava mesmo uma dessa…

4. Guitarra na Lata


Para o bom e velho Metal Pedreiro!

3. Guitarra MegaDrive


Será que dá pra jogar um Sonic ainda?

2. Air Guitar


A que só os inteligentes podem ver!

1. Lolla’s Guitar


Para meninos extremamente solitários.

O Ministério da Saúde Adverte:

Ouvir Rock’n’Roll em demasia pode causar extrema dependência


Video:

Só para provar que tem gente sem vida social e que consegue tocar umas bizarrices dessas!

Links para aprender um pouco mais:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Guitarra_el%C3%A9trica

http://www.sobresites.com/guitarra/

http://www.cifras.com.br/escalas-guitarra.asp

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

Filho de peixe…

Por Michelle Lago

Todos (ou quase todos) nós sabemos que no mundo da música há aqueles que engrenaram na carreira com uma ajudinha essencial: o famoso paitrocínio. Já ouviram falar no termo?! Pra quem não sabe, o paitrocínio é o apoio que vem dos pais, explicando melhor: quando um pai é famoso, dificilmente o filho não vai ser. A não ser que ele não queira… E olhe lá!

Infelizmente, há aqueles cantores que não herdaram o talento dos papais (que, venhamos e convenhamos, só fazem sucesso graças a você sabe o que), mas que conquistam o mesmo número de fãs, geralmente do mesmo publico, pois muita gente acha que filho de peixe, peixinho é. Em alguns casos, sim. Há os felizardos que herdaram o dom de cantar. Não vou ficar falando quem herdou ou deixou de herdar, a listinha com alguns casos desse fato está abaixo para você mesmo ver e conferir quem acha quem tem ou não tem esse talento.

Preta Gil (Filha do cantor Gilberto Gil)

Nascida em 1974, no Rio de janeiro, viveu na cidade no auge dos anos 80. Como sabemos a música nesta época marcou história. A cantora ia todos os fins de semana ao show do Circo Voador e, segundo ela, vivia sempre nos bastidores. Percebeu que este ambiente a atraía e então, neste mesmo período, começou a estudar para ser atriz e cantora. Em 2003, gravou seu primeiro álbum “Prêt-à Porter” que trouxe muita polêmica. Em sua capa a atriz aparece nua, pois se sentia como estivesse renascendo com o trabalho e como nascemos nus… Gravou outro CD intutulado “Preta”, em setembro de 2005. Atualmente trabalha no novela da Rede Globo Viver a Vida, de Manoel Carlos, onde interpreta Eduarda.

Wanessa Camargo (Filha de Zezé di Camargo)

Desde muito nova, Wanessa tinha vontade de seguir carreira artística. Devido a problemas familiares, ela foi mandada aos EUA, onde viu que o canto era o que interessava. Em 1999, aos dezessete anos, assina contrato com a Sony Music, na época BMG. Seu primeiro CD, Wanessa Camargo, foi lançado em 2000. Mais dois álbuns com o mesmo nome saíram em 2001 e 2001. Com nove anos de carreira, Wanessa já vendeu mais de dois milhões de CDs e DVDs. É a cantora mais nova da geração que mais vende discos.

Luiza Possi (Filha de Zizi Possi)

Em 1999, Luisa cantou “O Vento”, de Jota Quest, apenas ao som de sua voz e do piano, para abrir o show do Skank, no Credicard Hall, em São Paulo. Seguiu cantando de maneira informal com outras bandas. Em 2001, ao lado de sua mãe, Zizi Possi, participou do Programa do Jô, exibido na Rede Globo, cantando a música “Angel”, tema do filme “Cidade dos Anjos”. Recebeu convites para gravar um dia depois. Gravou seu primeiro disco neste mesmo ano, produzido por Rick Bonadio.

Maria Rita (Filha de Elis Regina)

A cantora nasceu em 1977 e desde muito jovem teve o desejo de ser cantora. Apenas aos 24 anos iniciou sua carreira, pelo fato de sua mãe ser muito famosa no Brasil, suas obras foram adiadas. Consagrou-se como o novo ícone da MPB. Ganhou prêmios como Grammy Latino, Prêmio Multishow de Música e Prêmio Tim.

Filipe Galvão – Fiuk (Filho de Fábio Jr)

Filipe montou sua banda Emocore, Hóri, quando conheceu o baterista Xande Bispo em um estúdio no centro comercial de Alphaville. Depois de algumas mudanças na formação, a banda passou a consistir em Fiuk (vocal), Max Klein (guitarra solo e vocal), Renan Augusto (guitarra base e vocal), Fê Campos (baixo) e Xande Bispo (bateria). Depois de dois meses da formação, Hóri fechou contrato com a Warner Music Brasil. A música “Quem sou eu” de sua banda foi selecionada como abertura da 17ª temporada de Malhação, novela que Fiuk, com a apoio de seu pai, fez testes para participar e ganhou papel de protagonista.

Gonzaguinha (Filho de Luiz Gonzaga)

Criado pelos padrinhos, devido à morte muito precoce de sua mãe, compôs sua primeira canção “Lembranças de Primavera” aos 14 anos. Aos 16, foi morar com o pai para estudar. O início de sua carreira foi marcado pela rebeldia, suas canções eram consideradas ásperas e 54 das 72 canções compostas foram censuradas. A partir dos anos 70, ele passou a compor músicas mais aceitáveis para o publico da época, como “Explode Coração” e “Grito de Alegria”. Morreu em 1991, aos 45 anos, vítima de um acidente automobilístico.

Sandy e Júnior (Filhos de Xororó)

Nascidos na cidade de Campinas, no interior de São Paulo, Sandy e Júnior desde pequenos apresentavam gosto pela música, assim como o pai, formando uma dupla mirim. Em 1989, indicados pelo irmão de Xororó, Chitãozinho, eles se apresentaram no Programa Som Brasil, apresentado por Lima Duarte cantando “Maria Chiquinha”, sucesso da dupla Zé-do-rancho e Mariazinha. A partir daí, seguiram juntos até 2007, até que anunciaram o fim da dupla dizendo que estavam se dedicando para projetos diferentes.

 

Luciana Mello e Jairzinho (Filhos de Jair Rodrigues)

Desde os seis anos de idade, Luciana, hoje com 31, vem cantando ao lado de seu pai. Aos 12, ela e seu irmão, Jairzinho, montaram uma banda chamada “Jairzinho e a Patrulha do Barulho” que durou apenas um ano. Mesmo com pouco tempo de duração, com o lançamento de seu disco, eles tiveram oportunidades de viajarem pra diversos lugares. Não foi o fim da banda que fez com que os irmãos se separassem. Eles continuaram a parceria fazendo shows pelo Brasil durante três anos.

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

Que música vende mais?

Por Felipe Castilho

A indústria musical é responsável por um grande volume de produções em todos os estilos, países e épocas. Desde a invenção dos discos de vinil, no final da década de 40, a música entrou na era da comercialização e vendas de seus produtos. A partir daí surgiram mitos da indústria musical como Elvis Presley, Beach Boys, Beatles, Rolling Stones e mais uma gigantesca quantidade de bandas e músicos de extremo sucesso.

Pouco mais de 60 anos depois da invenção dos discos, me deparo com a lista dos mais vendidos de todos os tempos. Eis os nomes:

1. Thriller – Michael Jackson: 110 milhões de cópias. Hits: Thriller, Beat it.

2. Back in Black – AC/DC: 49 milhões de cópias. Hits: Back in Black, You Shook Me All Night Long.

3. The Dark Side of the Moon – Pink Floyd: 45 milhões de cópias. Hits: Time, Money.

4. The Bodyguard (trilha) – Whitney Houston and Various Artists: 44 milhões de cópias. Hit: I Will Always Love You.

5. Bat Out of Hell – Meat Loaf: 43 milhões de cópias. Hit: Bat Out of Hell

6. Their Greatest Hits – Eagles: 42 milhões de cópias. Hits: Desperado, One of These Nights.

7. Dirty Dancing (trilha) – Various Artists: 42 milhões de cópias. Hit: (I’ve Had) The time of My Life.

8. Millennium – Backstreet Boys: 40 milhões de cópias. Hits: I Want it That Way, Show me The Meaning.

9. Saturday Night Fever – Bee Gees: 40 milhões de cópias. Hits: Satying Alive, How Deep Is Your Love.

10. Rumours – Fleetwood Mac: 40 milhões de cópias. Hits: The Chain, You Make Loving Fun.

Na sequência, aparecem nomes dos mais diversos estilos como Shania Twain, Led Zeppelin, Beatles, Celine Dion, Madonna, Guns N’ Roses. Todos com vendagens incríveis, mas que nem se comparam à Thriller, de Michael Jackson.

Dos 10 mais vendidos, os que mais me agradam são os três primeiros, pois trouxeram uma sonoridade única, inovadora, que mudou e influenciou para sempre todos os sucessores da música.

Veja a lista completa: http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_best-selling_albums_worldwide

Confira os 10 mais vendidos do Brasil: http://procurandovagas.org/os-10-cds-mais-vendidos-do-brasil/

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

  • Agenda

    • maio 2017
      D S T Q Q S S
      « jun    
       123456
      78910111213
      14151617181920
      21222324252627
      28293031  
  • Pesquisar