Dica de filme: Rock Star

Por Felipe Castilho

O assunto agora é música no cinema. Mais especificamente, falarei sobre o filme “Rock Star”, de 2001, dirigido por Stephen Herek.

Ambientado nos anos 80, o filme conta a história de Chris Coles (Mark Wahlberg), fã da fictícia banda Steel Dragon, tida como a “mais famosa banda de metal do mundo”, e cantor de uma banda-tributo dos metaleiros. Sua namorada, Emily (Jennifer Aniston), acreditava que ele tinha muito potencial para escrever músicas próprias, mas Chris só queria ser como o vocalista dos Dragons, Bob Beers (Jason Flemyng). Beers resolve abandonar a banda alegando que sofre preconceito por ser homossexual e Chris é convidado para seu lugar. A partir daí, ele vive os altos e baixos da carreira de um músico.

Essa história pode ser conhecida para alguns, já que é baseada em um fato similar ocorrido com o Judas Preist, quando o vocalista Rob Halford deixou a banda e foi substituído por Tim “Ripper” Owens, vocalista de uma banda cover do Judas Priest. A princípio, a história contada seria exatamente o que ocorreu com Rob Halford, mas banda vetou.

O filme conta com um elenco excelente, principalmente quanto aos músicos envolvidos. As guitarras são de Zakk Wylde, o baixo de Jeff Pilson, as baquetas ficam por conta de Jason Bonham, e os vocais, dublados por Chris, são de Jeff Scott Soto. Quanto às músicas, são um show à parte. A trilha contém clássicos como “Lick it Up” – Kiss, “Wild Side” – Motley Crue e “Livin’ on a Prayer” – Bon Jovi. Sem contar as boas canções do fictício Steel Dragon: “We All Die Young” e “Stand Up”.

O filme conta como era o lado sexo e drogas do Rock N’ Roll, principalmente o sexo. Orgias e uma grande quantidade de groupies mostram como viviam, ou vivem, os rockstars mais famosos.

Um bom filme para os apaixonados pelo Rock N’ Roll e também para os que querem descobrir parte de como vive uma estrela da música. Recomendado para quem gosta de barulho.

Trailer do filme

Trilha sonora completa: http://whiplash.net/materias/news_968/010081-motleycrue.html

Opiniões sobre o filme: http://www.adorocinema.com/filmes/rock-star/ e

http://blogdoheu.wordpress.com/2009/02/03/rock-star/

 

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

Baghdad Heavy Metal Café

Por Léo Cardoso

Uma vez vi uma reportagem, em algum lugar, que dizia que fã de Heavy Metal é igual a torcedor de futebol fanático, faz de tudo por seus ídolos, perde a noção quando toca AQUELA música específica, compromete o orçamento do mês todo para ir a um show e ainda agüenta um PUTA  BAITA perrengue na fila, antes do show e depois do show.

Como grande fã do Metal Pesado, sou prova viva de todas as provações que passamos por um show e por um sonho, é o aperto das grandes apresentações temperado com um cheiro de maconha e sovaco horrível(todo show é a mesma coisa), são as brigas, o grito, a rouquidão do dia seguinte comparados a tocar de graça com a sua banda nos lugares mais sujos do mundo para quatro gatos pingados sem direito a réplica, tréplica ou copo d’água.

Após assistir o documentário “Heavy Metal In Baghdad”, tive mais certeza que esse amor ultrapassa todas as barreiras relacionadas à música. Heavy Metal é devoção, um estilo de vida. Quando você iria imaginar que no Iraque, em meio a todo o processo de uma guerra duvidosa e mascarada, quatro amigos juntariam as forças e formariam a única banda de metal do país, o Acrassicauda, lutando contra uma sociedade arcaica que vêem nesse estilo musical, algo demoníaco e totalmente contra seus costumes?

Foram quase seis anos de filmagens que mostram à banda antes da ocupação Americana, durante o avanço das tropas, a guerra civil que assola o país até hoje e quando a banda sai do Iraque e vão para Síria como refugiados. O mais importante é observar que a música funciona como válvula de escape para a fúria e as frustrações dos integrantes do Acrassicauda como forma de suportarem toda a pressão de remar contra a corrente em todos os aspectos possíveis.

Hoje, com a ajuda dos produtores do documentário, a banda conseguiu asilo político nos Estados Unidos e segue divulgando seu primeiro álbum “Only The Dead See The End Of The War “ de março de 2010, por enquanto tudo vai bem para o Acrassicauda.

O documentário “Heavy Metal In Baghdad” pode ser encontrado no YouTube com muita facilidade, o problema é que não é legendado. Segue aqui a primeira e a segunda parte e o primeiro vídeo clip da banda:

Seguem mais links sobre a banda ACRASSICAUDA:

http://en.wikipedia.org/wiki/Acrassicauda

http://www.myspace.com/wwwacrassicaudas5com

 

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

Sucesso excêntrico de uma lady

Por Michelle Lago

Ela nasceu em 28 de março de 1986, na cidade de Nova Iorque. Com 4 anos de idade começou a tocar piano, aos 13 compôs sua primeira balada e com 17 anos ganhou admissão na escola de artes da universidade de Nova Iorque Tisch, onde aperfeiçoou suas habilidades de compor dissertações focando em arte, religião e organização sócio-politica. Mas se retirou da escola com um único propósito: concentrar-se em sua carreira musical. E não é que deu certo?

A garota de quem falei agora é, nada mais, nada menos que Stefani Joanne Angelina Germanotta!

O nome é familiar para você? Provavelmente não. Então reformularei minha frase: “A garota de quem falei agora é, nada mais, nada menos que Lady Gaga!”

A cantora pop que é a atração do momento – acreditem – não está apenas de passagem. Dona de um talento extraordinário, seu timbre de voz deixa qualquer um boquiaberto, e seu figurino…bem, esse costumava sem composto por um maiô, uma única peruca loira e óculos escuros gigantescos, isso até dois anos atrás. Gaga se destaca não só por seu talento, mas sim pelos modelitos atuais que são provas de uma personalidade fortíssima, afinal, não é todo dia que encontramos uma celebridade disposta a encarar trajes similares ao de Edward, mãos de tesoura, ou ir vestida de placas de trânsito ao aeroporto.

Gaga vestida de placas de trânsito, no aeroporto de Londres

Mesmo parecendo a criatura mais maluca de todos os tempos, Gaga não é vista cada dia com um namorado diferente e, muito menos, dando vexames por ai, afinal como ela mesma diz: “ Só acredito em uma vida de glamour e vivo assim”. E quanto glamour, hein?! A lady foi considerada pelo The Times “O Futuro do Pop”. Seu primeiro single “Just Dance”, com a participação de Akon e Colby O’Donis rendeu a cantora a indicação ao Grammy pela melhor gravação dance, no 51º Annual Grammy Awards, além do topo das paradas em vários países, incluindo Estados Unidos, Austrália, Canadá e Holanda. Gaga foi indicada também no MTV Video Music Awards de 2009 com um total de nove prêmios, recorde para um artista em sua primeira indicação, incluindo “Vídeo do Ano”, “Artista Revelação”, “Melhor Vídeo Feminino” e “Melhor Vídeo de Pop” para “Poker Face” e “Melhor Direção”, “Melhor Edição”, “Melhores Efeitos Especiais”, “Melhor Cinematografia” e “Melhor Direção de Arte” para “Paparazzi”. Ela conseguiu ganhar o prêmio de “Artista Revelação” enquanto o seu single “Paparazzi” ganhou dois nas categorias “Melhor Direção de Arte” e “Melhores Efeitos Especiais”. Em outubro, Gaga recebeu o prêmio da Billboard “Estrela em Ascensão de 2009”.

E uma excelente noticia aos fãs: A estrela vem ao Brasil esse ano para apresentar sua primeira turnê, The Fame. A data ainda não foi confirmada, mas o importante é saber que há tempo de sobra para preparar um figurino bem exótico para assistir à esse espetáculo que promete ser tão surpreendente quanto sua protagonista.

Mais informações sobre o show:

http://territorio.terra.com.br/noticias/?c=22178

http://www.noticiaki.com/2009/08/show-lady-gaga-no-brasil-2009-datas-e-locais.html

Um vídeoclipe da música Bad Romance, que mostra um pouco do estilo e do talento da cantora.

 

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

Guns N’ Roses empolga em São Paulo

Pirotecnia no Show

Por Felipe Castilho

É verdade que já faz onze dias que eles tocaram por aqui, e o post está um tanto quanto atrasado. Mas devido à magnitude do show, o atraso se torna irrelevante. O que importa de verdade foi a intensidade com que o Guns se apresentou. Axl, apesar dos 48 anos, ainda está incrível. Mas vamos pelo começo…

Às 20h entrei no Palestra Itália, nas cadeiras ao lado direito do palco. Já estava acontecendo o show de abertura do Rock Rocket. Com algumas vaias, fizeram um show nota 6, que durou cerca de 30 minutos. Na sequência, vieram os Forgotten Boys, com um show melhor que o anterior e destaque para a música Just Done, uma das melhores da banda. Nota 7 para eles.

Por volta das 21:45 Sebastian Bach e sua banda subiram no palco para aquecer os fãs do bom e velho Hard Rock. Com algumas faixas do novo disco “Angel Down” e, evidentemente, os clássicos do Skid Row, Sebastian fez um excelente show. Como sempre, o ponto alto foi I Remember You, balada do primeiro e autointitulado disco da banda. Durante quase uma hora e meia, o vocalista mostrou que ainda canta muito bem e possui uma ótima presença de palco. Apresentação nota 9.

Já imaginava um certo atraso para Axl subir no palco. E claro que não errei. Às 00:35, quase uma hora e meia após Bach terminar seu show, as luzes do estádio se apagaram e a introdução de Chinese Democracy, faixa-título do mais recente álbum da banda, enfim iniciava o show. E logo na primeira música, um momento inesquecível. Um fã (se é que isso pode ser chamado de fã) jogou um copo de água em Axl Rose. Este parou o show na hora e se dirigiu para o infeliz cidadão. “Quer estragar meu show? Se quiser vamos embora, por mim não tem problema”. Confesso que fiquei ligeiramente desesperado nessa hora, mas para o alívio geral da nação o vocalista, ou frontman, estava de muito bom humor e continuou seu show. Na sequência tocaram três clássicos: “Welcome to the Jungle”, “It’s So Easy” e “Mr. Brownstone”, e o público percebeu que a espera realmente havia valido a pena.

Axl com bandeira brasileira

Não faltaram músicas do disco novo, como “Sorry”, “Better”, “If the World” e “Street of Dreams”, por exemplo, que não são tão conhecidas do público, mas não deixam de ser muito boas. Os integrantes da banda fizeram seus shows particulares com solos. O guitarrista Richard Fortus tocou a música tema do agente 007. DJ Ashba, uma música própria, chamada “Ballad of Death”. E Ron “Bumblefoot” Thal, o tema da Pantera Cor de Rosa.

Como disse antes, Axl estava muito simpático e conversou muito com o público. Em uma brincadeira, ele pediu para que as pessoas o xingassem. “I say fuck you, and than you say AXL ROSE”. Em meio à gargalhadas, todos gritaram o que Axl pediu. Durante Knockin’ on Heaven’s Door, Axl contou que não tinha ido cantar no show “secreto” do dia anterior pois estava com problemas de garganta. “É melhor decepcionar aqueles 150 do que todos vocês aqui”, disse o frontman.

Mas o que realmente empolga os fãs são os antigos sucessos. Em “Sweet Child O’ Mine”, o público cantou tão alto que a voz de Axl foi encoberta, tornando-se quase inaudível. “November Rain”, “Knockin’ On Heaven’s Door” e “Nightrain” terminaram a primeira parte da apresentação tirando muitos aplausos dos fãs.

O famoso bis, de 5 músicas, começou com “Madagascar” e ““Shackler’s Revenge”. Depois veio a lenta e romântica “This I Love”. Para terminar, a banda tocou “Patience”, insistentemente pedida pelo público e terminou como sempre, com uma de suas melhores e mais empolgantes músicas: “Paradise City”, com direito a chuva de papel picado.

Importante dizer que o show contou com uma mega-produção. Um palco gigante, com dois telões laterais e um central, grande quantidade de fogos de artifício e labaredas que saíam do chão e formavam um espetáculo à parte.

A apresentação do Guns N’ Roses teve cerca de 2:45 e acabou por volta das 3:20 da manhã. Claro que não posso dar menos que 10 para o show. Simplesmente incrível.

Outras opiniões sobre o show:

http://solada.wordpress.com/2010/02/23/guns-n-roses-guitarrista-fala-ao-brasil/”>http://solada.wordpress.com/2010/02/23/guns-n-roses-guitarrista-fala-ao-brasil/</a

http://entretenimento.r7.com/musica/noticias/guns-n-roses-mostra-forca-no-show-de-sp-20100314/”></a

http://g1.globo.com/Noticias/Musica/0,,MUL1528729-7085,00.html”></a

 

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

Roderia!

Por Léo Cardoso

Só pra galera sentir um pouco da pegada dos docs do In-Edit, trago até vocês o documentário RODERIA, que conta um pouco sobre a cultura das Rodas de Pogo (aqui em São Paulo conhecidos mais como Bate-Cabeça ou Circle Pit) em um show da banda Napalm Death, no Rio de Janeiro.

Divirtam-se!

 

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

Começou o In-Edit Brasil 2010!

Por Léo Cardoso

Se o seu negócio é musica, cinema e diversão, o In-Edit “Festival Internacional do Documentário Musical” é a opção certa para você!

Após o sucesso de sua primeira edição, o festival volta a São Paulo com mais força que no ano passado. Espalhado pela cidade em seis endereços diferentes, exibe cerca de 70 filmes que tem a música como tema.

O festival começou no dia 18 de março e traz documentários de todos os tipos, abordando diferentes estilos musicais. São shows inéditos de bandas consagradas (“Led Zeppelin Live ate Royal Albert Hall”), documentários sobre a historia do hip hop na palestina (“Sling Shot Hip Hop”), a luta pelo sucesso de uma banda de metal que tem mais de 20 anos de estrada (Anvil: The Story of Anvil), enfim tem para todos os gostos.

O destaque fica por conta da mostra nacional competitiva, são seis longas na disputa entre e eles o premiado “DZI Croquetes” sobre o grupo de mesmo nome dos anos 70 e o tão esperado “Mamonas Para Sempre – O Doc” sobre o saudoso grupo Mamonas Assassinas.

As sessões custam entre R$1,00 e R$12,00 e acontecendo no HSBC Belas Artes, Cine Olido, Matilha Cultural, Auditório Ibirapuera, MIS, Cinesesc e no Instituto Cervantes a programação completa você pode encontrar no site:

http://in-edit-brasil.com/2010/

Faça o seu cronograma, escolha seus documentários e nos vemos por lá!

Mais Informações sobre o In-Edit e sobre as atrações:

http://cinema.uol.com.br/ultnot/2010/03/17/festival-de-documentarios-musicais-in-edit-destaca-bandas-brasileiras-em-sua-selecao.jhtm

http://guia.folha.com.br/cinema/ult10044u709175.shtml

http://musica.ig.com.br/noticias/2010/03/18/segunda+edicao+do+festival+in+edit+comeca+nesta+quinta+9432550.html

http://www2.hsbc.com.br/hs/quem_somos/cultural/hsbc_belas_artes.shtml

http://www.mis-sp.org.br/

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/galeria_olido/

http://matilhacultural.com.br/

http://www.auditorioibirapuera.com.br/

http://www.sescsp.org.br/sesc/busca/index.cfm?UnidadesDirector=50

http://saopaulo.cervantes.es/br/default.shtm

Caso tenham sugestões de pautas ou dúvidas, escrevam pra gente: tropecomusical@hotmail.com

BEM-VINDOS!

Do bom e velho rock’n’roll às batidas do funk carioca, todo estilo musical oferece diversão, bem-estar, inspiração e mais uma série de sensações prazerosas aos seus ouvintes.

Foi pensando nisso que nós, Michelle Lago, Felipe Bolzoni, Léo Cardoso e Felipe Castilho, um grupo de amigos de muuuito contraste (que outra característica poderíamos dar a uma turma que tenha um vocalista de thrash metal e um fã do Fábio Jr.?) criamos este blog para mostrar a você mesmo notícias imagináveis e inimagináveis deste mundo tão eclético, o da música.

Esperamos que gostem!